quarta-feira, 6 de julho de 2016

De amor e de cor se faz uma festa

Gosto de sentir que as festas de anos do Simão saem da minha cabeça e das minhas mãos. É amor que se transforma em cor, alegria e açúcar!
Até agora ele ficava feliz com uma festa, mas os festejos deste ano prolongaram-se por uma (interminável) semana. Por vontade do aniversariante festejávamos os cinco anos e duas semanas, os cinco anos e um mês e daí em diante...
A festa na casa dos avós foi, como é costume, pensada em cima da hora, mas o principal pedido do aniversariante foi cumprido. O bolo tinha que ter animais.






segunda-feira, 18 de abril de 2016

Não parece, mas já é Primavera

Se comparasse o Carminho Handmade com uma planta, poderia compará-lo com um cacto, para se manter vivo não tem precisado de muitos cuidados, mas quando os tem fica mais viçoso e cresce! Hoje decidi vir "regar o cacto", que é como quem diz "escrever qualquer coisinha"!

Por muita vontade que tenha de começar a vestir o mini-homem com roupas mais primaveris, esta Primavera envergonhada não me tem ajudado a cumprir essa vontade... Então pensei num conjunto adequado à época em que nos encontramos, que pode ser facilmente complementado com um casaco ou com uma camisola. 
Camisa: Piupiuchick Calças: Zara Calçado: Primark
 
 



















 Uma outra parte de cima que ficava mesmo bem com aquelas calças e com aquelas alpercatas, era esta:
T-shirt: Nicoli
  




















Se o dia estiver feio e fizer algum frio, podemos acrescentar este casaco:
Casaco: Gap

                                                                 
                    



                                                                                                                                          









segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

O meu Catboy é melhor que o original



Propus-lhe muitas outras opções para o disfarce de carnaval. Ficou reticente quanto a todas... apenas mostrou algum interesse pelo de polvo. Por fim decidiu que o que queria mesmo era ser um Catboy (dos PJMasks, ou “Vijeimax” nas palavras do próprio). Antes de deitar as mãos à cabeça perante aquela ideia tão disparatada, quanto difícil de concretizar, mergulhei na internet, muni-me de feltro e abasteci-me de paciência.
Não aprecio super-heróis, mas nestes assuntos tenho uma postura semelhante àquela que tenho em relação aos doces: se é para ele comer, pelo menos que seja eu a fazê-los! Assim sempre posso evitar algum excesso.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

"A pintura para mim não é um passatempo, é uma exigência."

As aulas de pintura que tive na adolescência eram momentos mágicos. Costumava chegava ao atelier a meio da tarde e por lá ficava até escurecer. Por vezes íamos para a beira do Tejo desenhar com pequenos pauzinhos de carvão. Quando a mão fugia, apagávamos com miolo de pão!
Lembro-me que a minha professora não gostava particularmente da palavra inspiração. "A pintura para mim não é um passatempo, é uma exigência.", dizia sempre. A mão e os olhos precisam de ser educados.
O porte elegante, porém austero e despojado, da Maria Lucília Moita sentada em frente ao cavalete e o cheiro dos óleos inebriavam-me. As cores que usava não eram vibrantes, mas eram verdadeiras, cruas. A natureza que mais gostava de pintar não era feita de flores e passarinhos, era feita de velhos troncos de oliveira e de pedras gastas pelo tempo.  O atelier onde generosamente me ensinou a pintar (e a olhar) não fazia parte deste mundo e o que lá aprendi foi tanto.

"Casas Brancas de Carreiras" (1972) - Maria Lucília Moita
Auto-retrato - Maria Lucília Moita

Maria Lucília Moita - 1994  


 

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A medida dos sonhos

Na ingenuidade dos quatro anos diz que quer ser um “paleontólogo de sucesso” e nós respondemos-lhe que pode ser o que quiser, basta esforçar-se para isso. A resposta que lhe damos pode ser também ela um pouco ingénua, mas dir-lhe-emos sempre o mesmo, com idêntica convicção.
Os seus olhos pequeninos hão-de percorrer sucessivamente cada figura, como quem estuda para o exame do dia seguinte. Talvez esse estudo adie a hora de dormir ou talvez o ajude a acreditar que os sonhos podem mesmo ser realizados.


Imagem da Zara Home (daqui)

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Quando as luzes se apagaram


Começou um novo ano, os fogos de artifício terminaram e apagaram-se as luzes. A sequência dos acontecimentos repete-se ano após ano, assim como se repete a esperança de que vamos conseguir ser (ainda) mais felizes. 
Na certeza firme de que a Tal felicidade está nas pequenas coisas, preparei chá e comi scones com (muito!) doce.




quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Serenity

Sobre uma das cores do ano, escrevo um dos objectivos que tracei para 2016: "Create something every day".
Serenity é o nome perfeito para esta cor.